linkedin
banner_light_blog
  • 1/12/15

     

    Em maio, iniciamos uma campanha para comemorar o nosso aniversário de 110 anos com a participação de empregados que fazem parte da nossa trajetória. Para encerrar 2015, apresentamos o Luiz Motta, engenheiro de campo, com a gente há 26 anos.

    A história dele com a Light começou antes mesmo de fazer parte do nosso time, quando iniciamos a construção das primeiras usinas na sua cidade. Aos 22 anos, ele conseguiu fazer parte do quadro de empregados e desenvolver seu potencial.

    Quando ganhou uma bolsa de estudos, em 2004, iniciou a faculdade de engenharia e teve a chance de crescer e se desenvolver. Hoje, como engenheiro de campo, atua na gerência de operação de usinas e dedica sua energia para construir um novo sonho: formar seu filho em medicina.

    Aniversário Light - Luiz - engenheiro de campo

    E você? Qual é a sua história com a Light? Se você trabalha com a gente, compartilhe no Instagram os seus melhores momentos com a hashtag #orgulhodeserlight para fecharmos essa campanha com chave de ouro. E que venham os próximos 110 anos! 😉

  • 23/11/15

    Uma empresa é feita por sua gente! Nossos funcionários são essenciais para a construção desta trajetória de 110 anos. São engenheiros, eletricistas, técnicos, advogados, administradores, atendentes, médicos e muitos outros entre os mais de 13 mil empregados espalhados por todo o estado do Rio.

    Hoje, 23, é dia do engenheiro eletricista e o Conexão Light convidou Juliana Pigeard Muratore, profissional de campo na Light, para contar um pouco sobre sua experiência na profissão. Na Light desde 2010, Juliana é formada em engenharia elétrica com ênfase em sistemas de potência pela Universidade Estadual do Rio de Janeiro – UERJ.

    Juliana Muratore

    Conexão Light – Por que você escolheu essa profissão? Qual foi o fator mais atrativo?

    Juliana – Na época da escola, sempre gostei mais das matérias exatas. Meu pai é engenheiro eletricista e cresci vendo ele resolver assuntos do trabalho com muita satisfação e isso me inspirou a seguir a mesma carreira. Quando escolhi o curso, o fator mais atrativo foi o mercado de trabalho que estava bem aquecido, com muitas oportunidades de estágio e emprego.

     

    CL – Foi difícil se inserir em um mercado majoritariamente masculino?

    Juliana – Hoje em dia, temos como exemplo muitas mulheres competentes que exercem muito bem a função de engenheira e, graças a isso, o preconceito contra as mulheres engenheiras diminuiu bastante. Logo que começamos a trabalhar e a mostrar nosso interesse e competência, conseguimos conquistar a confiança necessária da equipe e mostrar que um bom profissional independe do gênero.

     

    CL – O que um engenheiro eletricista faz na Light?

    Juliana – As atividades que um engenheiro eletricista pode executar são muito abrangentes. Na Light, por exemplo, podemos ocupar desde cargos de áreas mais técnicas, como cargos de gestão (de equipes, de projetos, orçamentos, etc). Muitos líderes de diversas áreas na Light são engenheiros eletricistas também. 

     

    CL – Como engenheira de campo, quais são as suas atividades? Como é o seu dia a dia?

    Juliana – Nosso trabalho na área de planejamento da expansão de alta tensão no grupo de proteção é muito bonito e complexo. Nossa equipe faz todo o estudo dos esquemas de proteção do sistema de 138kV da Light.  No dia a dia, fazemos a análise de falhas e ocorrências que afetam o sistema elétrico da empresa; realizamos estudos de curto-circuito; desenvolvemos projetos de melhorias de proteção visando atender à expansão e modernização do sistema; realizamos estudos de coordenação e ajuste dos relés de proteção, dentre outras coisas. Já no campo, participamos de testes de aceitação de equipamentos de proteção e medição.

     

    Juliana Pigeard Muratore

     

    CL – Dos projetos dos quais você participou, quais foram os mais desafiantes e qual foi o seu maior orgulho?

    Juliana –  Pelas atividades que mencionei na pergunta anterior, posso afirmar que cada novo projeto é encarado como um novo desafio e sempre me dedico muito em cada um deles. O maior orgulho para mim é fazer parte desta empresa centenária tão importante para o Rio de Janeiro e poder contribuir para o sucesso da companhia.

     

    CL – O que você diria para os estudantes que gostariam de se especializar nessa profissão?

    Juliana – Eu tenho a dizer que trabalhar no setor elétrico é muito gratificante e temos um aprendizado e crescimento contínuo. O melhor trabalho que pode existir é aquele que você gosta e se interessa pelas atividades!

     

    É isso aí, Juliana! Parabéns para ela e para todos os engenheiros eletricistas do Brasil pelo dia de hoje. 

  • 16/11/15

    Vai chegando o final do ano, o verão volta a dar as caras e a gente faz de tudo para não sofrer tanto com o calor no Rio 40° (com sensação térmica de 50). O ventilador e o ar condicionado são nossos aliados nessa época do ano, mas sem cuidado, eles podem dar uma baita dor de cabeça no final do mês.

    Por isso, temos várias dicas de economia para você usar melhor os seus eletrodomésticos, sem gasto excessivo e com muito mais eficiência, (e não só nessa época do ano) .

    Confira as dicas:

    • Prefira lâmpadas fluorescente ou LED. Estes modelos são mais econômicos que as convencionais e ainda esquentam menos o ambiente. Luminárias e globos sempre limpos também são mais eficientes para iluminar o ambiente. Use cores claras nas paredes, assim a luz reflete melhor e as necessidades de iluminação adicional diminuem.

    • Aproveite que está calor para diminuir a temperatura do banho. O chuveiro elétrico na posição verão reduz o consumo em até 30%. Além disso, também é bom diminuir o tempo debaixo d’água e evitar os horários de pico (das 18h às 21h).

    DicasDeEconomia2

    • O aparelho de ar-condicionado precisa ser adequado ao tamanho do ambiente, então se o quarto é pequeno, escolha um aparelho com menos potência (BTUs). Ah, e se você está correndo para comprar um, não esqueça de verificar se o eletrodoméstico tem o selo Procel! Não bloqueie a grade de ventilação e mantenha o filtro sempre limpo. Assim, sua casa ficará com uma temperatura mais agradável e sua conta, mais econômica.

    • A geladeira é um caso à parte: Precisa estar em locais afastados da parede, sol e fogão e com o termostato regulado à necessidade do ambiente. Verifique sempre as borrachas de vedação e evite o abre e fecha constante, aproveitando para pegar tudo que precisa de uma só vez. Ah, nada de alimentos quentes e destampados.

    DicasDeEconomia1

     

    Curtiu? Quer saber mais? Acesse aqui todas as dicas para economizar na sua conta de luz e aproveite para seguir o Conexão Light no Facebook e no Twitter para ficar sabendo muito mais. Fique com a gente!

     

  • 10/11/15

    Você já deve saber que a Aneel definiu um reajuste de 16,78% no valor da tarifa de energia, certo? Muita gente acha que esse aumento – impactado pela inflação, alta do dólar, escassez de chuvas e variações dos encargos, além do custo da energia comprada – fica para a Light, mas não é bem assim.

    É por isso que hoje vamos explicar alguns componentes da sua conta de luz. Conhecer a fatura de perto ajuda a entender melhor os motivos do reajuste e ainda estimula o consumo consciente de energia. Vamos lá?

    Custo de geração: está relacionado aos leilões públicos regulados pela ANEEL, a fim de garantir transparência e bons preços. Nestas rodadas, as distribuidoras compram a quantidade de energia que consideram suficiente para seu mercado cativo e os preços são repassados aos consumidores, sem margens de lucro.

    Custos de distribuição e transmissão de energia: incluem gastos de operação e manutenção das redes. Há ainda o chamado custo de disponibilidade, no qual o cliente paga o valor mínimo da fatura, mesmo viajando, para garantir que o sistema elétrico e sua estrutura se mantenham funcionando para todos.

    Impostos: tributos federais (PIS/COFINS), estaduais (ICMS), municipais (Contribuição de Iluminação Pública) e encargos setoriais também fazem parte da fatura e são repassados aos órgãos competentes.

    Bandeiras Tarifárias: sistema que sinaliza por meio de cores (verde, amarela ou vermelha) se haverá cobrança adicional na conta por causa da compra de energia das usinas termelétricas, que é mais cara do que a produzida pelas hidrelétricas. Saiba mais assistindo ao vídeo!

     

    Todos esses itens representam 54,1% dos reajustes ocorridos em 2015. E os 1,9% que ficam para a Light, onde são aplicados? Em expansão e manutenção da rede, pagamento de pessoal e outras ações de responsabilidade da empresa.

    Agora que você já entendeu melhor como funciona a sua conta, não tem mais desculpa para não usar a energia de forma consciente. Sabia que o consumo pode cair entre 20% e 30% com mudanças simples de comportamento dentro de casa, como reduzir o tempo do banho, manter o chuveiro na posição “verão” e manter sempre limpo o filtro do ar-condicionado? Reflita sobre seus hábitos e acompanhe o Conexão Light para conferir dicas de economia para fazer a sua conta caber no bolso!

  • 3/11/15

    16361-002-POST-FACEBOOK-LIGHT-TV-2

    Já faz um tempo que é possível assistir a vídeos fora da televisão. Os conteúdos multimídia estão em todos os lugares, nos computadores e celulares, disponíveis a poucos cliques de você. Até na conta de luz, sabia?

    Sim, é isso mesmo! A partir de hoje, basta apontar o celular para a capa da conta e assistir a um vídeo produzido especialmente para você.

    A gente explica: adquirimos uma tecnologia capaz de incluir mídias audiovisuais em materiais impressos, que podem ser visualizados por meio de dispositivos móveis, como smartphones ou tablets. Olha só como é fácil:

     

    Passo 1: Baixe gratuitamente o aplicativo Light TV – disponível para Android (Google Play) e Iphone (App Store).

    Passo 2: Abra o aplicativo no seu celular ou tablet e aponte para a capa da sua conta de energia do mês de novembro.

    Passo 3: Veja um vídeo rápido sobre as funcionalidades do aplicativo Light Clientes, o tema escolhido para o mês.

     

    Até fevereiro, trabalharemos outros três assuntos especiais na programação, que serão apresentados com a ajuda de dois personagens: a Dona Economia, especialista em consumo consciente de energia; e o Eletricista, que sabe tudo e mais um pouco sobre segurança. Confira e surpreenda-se!

  • 28/10/15

    Cinelandia - Marcello

    São 450 anos de muitas histórias. A cidade maravilhosa continua encantando os cariocas e o mundo inteiro. Durante esse tempo, algumas trajetórias se entrelaçaram: a do Rio, a da Light e de Augusto Malta.

    Malta é responsável por um grande acervo fotográfico do Rio antigo. Por meio das lentes do fotógrafo alagoano, radicado em terras cariocas, foram registradas mudanças marcantes na então capital federal no início do século XX, como a grande reforma urbana promovida pelo prefeito Francisco Pereira Passos, a abertura das grandes avenidas e a construção de prédios históricos, como o Theatro Municipal e a Biblioteca Nacional.

    A nossa história também começou a ser contada nessa época. A Light, fundada em 1905, contratou Malta para guardar para sempre as memórias da época, com fotos dos bondes elétricos, da iluminação pública e do trabalho da empresa.

    Com toda essa história, as imagens não poderiam ficar guardadas. Elas precisavam ser vistas. Foi o que pensou Marcello Cavalcanti, fotógrafo e designer, que teve a ideia de reproduzir as fotos de Malta com uma visão atual do Rio. Seu trabalho envolve novos registros e montagens fotográficas de tirar o folego, que expõem o contraste de uma cidade após 100 anos. O sucesso do Instagram @AugustoMaltaRevival gerou uma exposição que você poderá conferir a partir do dia 28 de outubro no Centro Cultural Light. O responsável por esse trabalho, você conhece aqui, na entrevista que Marcello concedeu para a gente:

     

    Foto Marcello Cavalcanti2Conexão Light – Como surgiu a ideia do projeto? Já conhecia as fotos de Augusto Malta sobre o Rio de Janeiro?

    Marcello – Sou fã do trabalho de Malta desde criança e eu nem sabia! A minha mãe gostava de me levar aos domingos a uma feira de antiguidades perto de casa. Havia uma barraca que vendia fotos dele em formato de postal e eu sempre pedia para ficar lá olhando e, às vezes, ela comprava uma ou outra para mim. É claro que eu não sabia quem era Augusto Malta, mas, já adulto, voltei nessa feira e vi as fotos sendo vendidas na mesma barraca.

    Como fotógrafo, sempre respeitei demais o trabalho dele, foi fundamental a sua postura diante dos fatos para produzir o incrível acervo documental do Rio antigo que temos hoje. Ele certamente merecia um museu com seu nome na cidade e suas fotos expostas permanentemente, contando a história do Rio entre 1900 e 1940.

     

    CL – Quando o projeto começou a ser visto no Instagram, a recepção do público o surpreendeu?

    Marcello – A recepção foi incrível! Já tinham saído outras reportagens sobre trabalhos meus na mídia, mas esse trabalho teve uma receptividade impressionante, todo mundo gosta, comenta positivamente, compartilha, etc. O Instagram foi a grande vitrine para que o trabalho explodisse, a velocidade com que os posts trafegam e atingem milhares de pessoas é sensacional.

     

    Cl –  Como se deu o trabalho de montagem das fotos? Qual foi a arte mais difícil de ser montada e qual foi a que você mais gostou?

    Marcello – Todas são bem difíceis, primeiro porque eu pesquiso muito para encontrar a posição correta. Como eu não estou usando as lentes que ele usou, preciso improvisar e usar 2 lentes, uma grande angular e outra teleobjetiva, para tentar acertar o ângulo desejado. No final, para cada foto montada, eu fiz pelo menos umas 30, 40 fotos no local, para aumentar as chances de acerto. Mesmo assim já tive que voltar e refazer. Também já errei de local algumas vezes. Fui, inclusive, corrigido por seguidores nas redes sociais, o que torna o trabalho ainda mais interessante, porque conta com a participação de todos.

    A montagem no computador é a parte mais divertida, porque posso escolher quem fica na foto, quem sai, para criar a imagem final mais lúdica possível, sempre com a ideia de informar, mas também entreter. A imagem que eu mais gostei de fazer, sem dúvida, foi a da praia de Ipanema, onde banhistas de sunga e biquíni dividem a foto com personagens dos anos 20, engravatados e de sombrinha no meio da areia. Essa foto em particular, quando postada no Facebook, gerou 1.145 compartilhamentos e atingiu 120.000 pessoas! E estamos falando de cultura! Isso é demais.

     

    Praia - Marcello

     

    CL –  Você acredita que esse trabalho deixa um legado para o Rio de Janeiro? O que você quer mostrar com esses contrastes entre o novo e o antigo?

    Marcello – Não tenho o intuito de apontar problemas na atual urbanização, nem comparar quem foi melhor ou pior, se o Rio era mais bonito antes ou agora. As opiniões eu deixo para quem vê e interage com as imagens. O que quero com esse trabalho é que as pessoas tenham consciência que a cidade é um organismo vivo em constante transformação e que tudo que fazemos gera consequências no futuro. É legal ver as imagens lado a lado e realizar que a cultura carioca, tão exaltada, mas também as vezes tão criticada, é fruto de um longo processo de vivência na cidade, de ocupação, de costumes, de valores e de acontecimentos históricos. E o que estamos fazendo hoje na cidade também será lembrado no futuro.

     

    CL – Na sua vida profissional, tem ideias de continuar com outros trabalhos relacionados à cidade e sua história?

    Marcello – Eu gostaria muito de transformar esse projeto em um livro, esse sim seria um legado interessante, pois daqui a 70, 100 anos, alguém poderia pegar as minhas colagens e inserir uma terceira imagem nela, com o Rio do futuro. Seria fantástico! Tenho outros projetos fotográficos e também de ilustração relacionados ao resgate da memória do Rio, mas prefiro no momento não revelar detalhes, o futuro dirá!

     

     Você também pode conferir mais um pouco do trabalho de Marcello no nosso Instagram. Montagens exclusivas do fotógrafo serão publicadas ao longo da semana. Siga-nos!

     

    Serviço:

    Centro Cultural Light

    Avenida Marechal Floriano, 168

    De 28 de outubro a 20 de novembro

    De Segunda à sexta, entre 10 e 17 hs

     

     

  • 21/10/15

    Energa solar doméstica shutterstock_107642984

    Quando falamos em sustentabilidade não pensamos apenas no aspecto ambiental, mas também social e econômico. Dessa forma, o benefício é bom para todos e fortalece a continuidade do processo como um todo. Esse é o caso da micro ou minigeração de energia.

    Você sabia que é possível criar seu próprio projeto para produzir a energia consumida na sua casa ou empresa? Com esse sistema, é possível diminuir o valor da conta de luz e diminuir a emissão de CO2 gerada pela produção de energia feita por meio de fontes como termoelétricas.

    Para saber de quanto será a economia que pode ser gerada na instalação e sobre a redução de gases produzida em uma instalação, o Instituto Ideal criou uma calculadora solar. Você só precisa informar seus dados de consumo nos últimos 12 meses e endereço.

    O retorno do investimento a ser feito ainda demora alguns anos para acontecer, mas a diferença na conta de luz já pode ser sentida em alguns meses após a instalação. A Light possui normas técnicas para regulamentar esses projetos de geração de energia doméstica. Quer conhecer? Vamos lá:

     

    1º passo: É preciso elaborar um projeto de microgeração de energia. Para isso, a recomendação é que se contrate um eletricista ou uma empresa especializada neste tipo de instalação. O projeto deve estar de acordo com as normas técnicas vigentes.

    2º passo: É preciso que o cliente compareça a uma agência comercial da Light para entregar um formulário de solicitação para geração de energia alternativa, junto com a documentação necessária anexada.

    3º passo: A Light analisará o pedido e enviará um parecer com as pendências.

    4º passo: Com o ok da empresa, o cliente poderá iniciar o projeto na sua residência. Após a conclusão, é preciso informar a Light.

    5º passo: Após a comunicação e pedido, a Light tem 30 dias para realizar uma vistoria. O parecer é dado em até 15 dias após a visita, com a aprovação ou o pedido de adequação de pendências.

    Pronto! Se você tem um consumo alto de energia, uma grande área para captação de energia solar ou recursos para essas instalações, vai nessa! Projetos como esses duram cerca de 20 anos, então mesmo que o retorno demore um pouco, ele fará muita diferença no seu bolso e principalmente para o planeta.

    Você pode achar mais informações no site da Light e também enviar suas dúvidas para o e-mail agencia.virtual@light.com.br

     

  • 13/10/15

     

    O Rio de Janeiro ferve com iniciativas empreendedoras, culturais e esportivas. Ideias que transformam a vida de muitas pessoas. Para incentivar esses projetos a saírem do papel, criamos a plataforma Me Dá Uma Luz, que desde 2013 vem ajudando seus autores a realizar sonhos.

    Esse ano nós queríamos algo mais, por isso, convidamos nossos empregados para escolherem um projeto que merecesse ser apoiado. Depois de alguns dias de votação interna entre os projetos cadastrados na plataforma, os empregados escolheram a iniciativa Anastácia Convida – Mostra de Dança, uma ação que tem o objetivo de apresentar as produções artísticas produzidas pelo Centro Cultural Anastácia, de São João de Meriti, a todo público.

    O projeto Anastácia é uma história de vida à parte! Alcione Soares é concluinte da faculdade de dança da UFRJ, arte que sempre foi sua paixão. Ao perceber que as crianças da comunidade onde mora não tinham opções de lazer próximas e uma crescente situação de risco, resolveu fazer o que podia e muito mais. Alugou uma sala, comprou dois espelhos e começou a dar aulas de dança para as crianças e adolescentes da comunidade. Em pouco tempo, já tinha quatro turmas de dança, ministradas por ela e por seu colega Eduardo Teixeira, além de 15 alunos de capoeira aos sábados. O sonho de transformar sua comunidade em um lugar melhor era enorme, e com ajuda de sua irmã pedagoga, Aldina, o Centro Cultural passou também a dar reforço escolar para as crianças. Tudo isso, com muito amor, doações e recursos próprios.

    Alcione, Rodrigo e Aldina queriam mostrar para todos o trabalho que vem sendo realizado no projeto. Eles criaram uma campanha de financiamento coletivo para promover a Mostra de Dança desses alunos para todos que pudessem ajudar e começaram a divulgar nas redes sociais. Com a votação interna na Light e a escolha do projeto, a iniciativa vai se tornar realidade. O projeto vai receber R$ 10 mil reais da companhia, o suficiente para pagar os custos das apresentações e dar uma força ao Centro Cultural. A notícia veio como uma grande surpresa e a felicidade deles contagiou a nossa equipe. Assista:

    Para nós, é incrível poder trazer essa felicidade e estimular tanta coisa boa. Parabéns ao Centro Cultural Anastácia e à Nossa Gente pela escolha.

    E você, tem uma ideia para o estado do Rio que deseja tirar do papel? Crie seu projeto no Catarse, Benfeitoria ou Kickstarter e corre para o Me Dá Uma Luz. Podemos ajudar a mostrá-la para milhares de pessoas!